Italics

Neither italic nor small capitals must be used, even in textbooks, if all they do is act as signals, as a means of synoptical organization. (If such signals are absolutely necessary, a fat asterisk before the key words will do the job.) Indeed, small caps and italics should not serve to emphasize a word but rather to clarify it and differentiate it from the rest. (Tschichold, 1991: 113-114)

Italic is derived from the humanist epistolary script. It is a relative of roman, frequently runs a little narrower, is tilted to the right, is conspicuous mainly because of this directional contrast and, within the overall color of a page, it irritates no more than is necessary for its function. (…) Key words to be emphasized are likely to be set in italic. (Tschichold, 1991: 113)

Itálico, carácter de letra tipográfica que teve origem no romano antigo; é franzina, inclinada à direita e imita a letra manuscrita; foi criada em Veneza e estreada por Aldo Manuio em 1501 na impressão de uma obra de Virgílio (daí denominar-se igualmente aldino); o emprego do itálico em relação ao romano é regido por códigos tipográficos que determinam que são impressos em itálico os titulos das obras, as citações em línguas estrangeiras, as palavras latinas e também, por uma questão de moda, a poesia, as dedicatórias, os prefácios e outras peças preliminares; a maior parte das polícias de caracteres dispõe de um tipo itálico; esta designação foi dada pelos franceses aos caracteres aldinos que não ficam direitos sobre a linha, como acontece com os redondos, mas ficam ligeiramente inclinados para a direita de quem lê. Letra cursiva. Cursivo. Grifo; esta designação resulta de uma homenagem que o seu criador, Franceso Griffo, italiano, quis prestar ao seu país natal. (Faria e Pericão, 2008: 691)


Fonte, conjunto de letras de um corpo e carácter, que completam a caixa. Texto escrito ou oral referente a um determinado domínio estudado, do qual são ou foram extraídos dados para serem usados num trabalho. Primeiro autor de alguma coisa. Texto originário de uma obra. Etimologia. Em informática, programa ou colecção de programas que tem a capacidade de descrever os caracteres nas diferentes caixas e corpos e de os espacejar de forma correcta. Programa-fonte. (Faria e Pericão, 2008: 561-562)

‘An assortment or set of type or characters all of one style and sometimes one size’.

‘A set of letters, numbers, etc., that are all in the same style and that are used in printing’.

(in Merriam-Webster Dictionary [website], 1996)

A typeface is the design of the letterforms; a font is the delivery mechanism. In metal type, the design is embodied in the punches from which molds are made. A font consists of the cast metal printing types. In digital systems, the typeface is the visual design, while the font is the software that allows you to install, access, and output the design. A single typeface might be available in several font formats. In part because the design of digital typefaces and the production of fonts are so fluidly linked today, most people use the terms interchangeably (…).

(thinkingwithtype.com, Ellen Lupton e Christopher Clark)


BIBLIOGRAFIA

1. Faria, Maria Isabel, e Pericão, Maria da Graça. (2008). Dicionário do Livro: da escrita ao livro electrónico. Coimbra: Almedina.
2. Tschichold, Jan. (1991). The Form of the Book: Essays on the Morality of Good Design. Vancouver: Hartley & Marks. Original edition, 1975.

Advertisements

_

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s